A REGÊNCIA VERBAL E AS MARCAS DE ORALIDADE

Fala, galerinha!

Hoje, vamos ver algumas dicas importantes sobre regência verbal. Como sabemos, fazer uma boa redação no ENEM exige o domínio da norma padrão da língua escrita, logo, trabalhar corretamente com determinados verbos e seus respectivos complementos é fundamental.

CONCEITOS BÁSICOS:

Observem os exemplos a seguir:

I) Os brasileiros amam futebol.

II) Os brasileiros gostam de futebol.

Na primeira frase, o verbo “amar” exige um complemento (“futebol”) não preposicionado. Já na segunda sentença, percebemos que o verbo “gostar” exige um complemento preposicionado (“de futebol”).  Logo, os verbos em destaque acima se diferem quanto à regência.

REGÊNCIA VERBAL: relação entre o verbo (termo regente) e seus possíveis complementos (termos regidos).

A REGÊNCIA E AS MARCAS DE ORALIDADE 

São muito comuns erros de regência, visto que muitas formas cristalizadas na linguagem falada não condizem com a norma culta.

Vejam a imagem a seguir:

Reparem que há, na charge acima, um erro clássico de regência incluindo o verbo “chegar”. Esse verbo exige a preposição “A”, na indicação de destino e não “EM”, como muitos utilizam.

Vejam as construções a seguir:

Os brasileiros chegam a um destino incerto. (CORRETO)

Os brasileiros chegam em um destino incerto. (INCORRETO)

Além do “chegar”, selecionei alguns verbos que costumam gerar dúvidas:

  • IMPLICAR

No sentido de acarretar, exige complemento sem preposição e não com a preposição “EM”, típica de construções informais.

Essa atitude implicará mudanças. (CORRETO)

Essa atitude implicará em mudanças. (INCORRETO)

Obs. O verbo implicar no sentido de “ter implicância” aceita a preposição COM.

Exemplo: O aluno implicava com seu colega de classe.

  • IR

Aceita as preposições A ou PARA.

Iremos a Caxias hoje à tarde.

Iremos para o sul do país no final do ano.

SE LIGA!

Dependendo da preposição escolhida, percebemos uma pequena diferença semântica, ou seja, uma sutil mudança no sentido da frase. O uso da preposição “a”, nesse caso, dá uma ideia de “efemeridade”, algo “passageiro”; a preposição “para” conota “permanência”, “algo mais definitivo”.

  • MORAR, RESIDIR

Trabalham com a preposição EM e não com a preposição A, como, algumas vezes, acontece.

Moro em Curitiba.

Resido no Rio de Janeiro.

  • NAMORAR

É transitivo direto, não exigindo, portanto, nenhuma preposição.

Ela namorava o filho do meu advogado.

Atenção!

Maria namora com João. (Se “João” for o complemento verbal, a frase está gramaticamente INCORRETA).

  • OBEDECER

É transitivo indireto, exigindo a preposição A.

Devemos obedecer às leis.

  • PREFERIR

Segundo a norma culta, o verbo preferir exige dois complementos: um sem preposição e o outro com a preposição A. Além disso, não se deve usar palavras como: mais, muito mais, antes, mil vezes, nem que ou do que.

Prefiro Português a Matemática. (CORRETO)

Prefiro muito mais Português do que Matemática. (INCORRETO)

  • SER

É incorreta a construção ser + preposição EM. Logo:

Somos vinte. (CORRETO)

Somos em vinte. (INCORRETO)

  • SIMPATIZAR

Exige a preposição COM.

Simpatizei com aquela professora.

SE LIGA! 

O verbo simpatizar não é pronominal. Dessa forma, não existe "simpatizar-se", nem "antipatizar-se".

A minha mãe se simpatizou com meu novo namorado. (INCORRETO)

 

Vamos testar os conhecimentos da aula de hoje?

 

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

Assinale a única alternativa em que não há erro de regência verbal:

a) Os funcionários chegaram cedo na empresa.

b) Com quem você namora?

c) Prefiro teatro do que cinema.

d) Os seus erros implicaram a sua demissão.

e) O empregado não obedeceu o chefe.

 

 

Comentários:

A única alternativa correta quanto à regência verbal é a letra “D”. Como vimos na aula de hoje, o verbo “implicar” no sentido de "gerar", "resultar" é transitivo direto. As demais alternativas apresentam erros. Corrigindo-os, teríamos:

a) Os funcionários chegaram cedo À empresa.

b) Quem você namora?

c) Prefiro teatro A cinema.

e) O empregado não obedeceu Ao chefe.

 

 

E aí, pessoal? Alguma dúvida? Gostaram das dicas?

Cuidado com certas construções frasais. A prova de linguagens do ENEM costuma cobrar conhecimentos sobre diferenças entre a linguagem falada e a escrita. Como vimos aqui, falhas de regência são comuns na oralidade. Portanto, fiquem atentos a tais regras e saibam utilizá-las corretamente na redação.

Até nosso próximo encontro!Cool

 



@ copyright ( Sou + ENEM ) 2017. Todos os Direitos reservados.

Logo Webteria