OS SIGNOS LINGUÍSTICOS

Fala, galerinha!

Em nossas aulas anteriores, aprendemos conceitos importantes envolvendo a língua e os tipos de linguagem. Sabemos que a comunicação acontece por meio da utilização de diversos códigos que nada mais são que um conjunto de sinais, ou seja, signos.

Hoje, vamos entender o que é um signo linguístico.

SIGNOS LINGUÍSTICOS

São unidades dotadas de representação e de conteúdo; são sinais que permitem a comunicação. Dividem-se em:

  • Significante: diz respeito às formas como percebemos a imagem do signo; a expressão por ele representada, as marcas no papel ou o próprio som. É a parte perceptível.
  • Significado: é o conceito mental a que se refere o signo; é o conteúdo. É a parte inteligível.


SE LIGA!

Se tomássemos como exemplo o signo “casa”, teríamos: 

Significantes: “house”, “home” , / k a z a /

Significado: lugar destinado à moradia.

 

Agora, analisemos as possíveis variações do signo “casa” nos fragmentos a seguir:

A Casa

Vinicius de Moraes

 

“Era uma casa

Muito engraçada

Não tinha teto

Não tinha nada

Ninguém podia entrar nela, não

Porque na casa não tinha chão

Ninguém podia dormir na rede

Porque na casa não tinha parede

Ninguém podia fazer pipi

Porque penico não tinha ali

Mas era feita com muito esmero

Na rua dos Bobos

Número zero”.

O signo "casa", no texto de Vinicius de Moraes, corresponde exatamente ao significado dado acima (local de moradia)

Vejam, agora, a seguinte situação: 

“Dois amigos conversando:

- Cara, estou ferrado! Minha mulher descobriu toda a verdade!

E agora?

Agora? A casa caiu!”

 

Reparem que a expressão “A casa caiu” possui um significado diferente; um sentido figurado. Nesse caso, quer dizer que a situação ficou bem complicada de se resolver. Dessa forma, podemos perceber que um signo pode ter múltiplos significados, dependendo do contexto no qual esteja inserido. Quando o sentido é o literal, damos o nome de denotação e, quando é o figurado, conotação.

 

CAIU NO ENEM

O termo (ou expressão) destacado que está empregado em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:

 

a)“(....) É de laço e de nó

De gibeira o jiló

Dessa vida, cumprida a sol (....)”

(Renato Teixeira. Romaria. Kuarup Discos. setembro de 1992.)

 

b) “Protegendo os inocentes

é que Deus, sábio demais,

põe cenários diferentes

nas impressões digitais.”

(Maria N. S. Carvalho. Evangelho da Trova. /s.n.b.)

 

c)“O dicionário-padrão da língua e os dicionários unilíngues são os tipos mais comuns de dicionários. Em nossos dias, eles se tornaram um objeto de consumo obrigatório para as nações civilizadas e desenvolvidas.”

 

(Maria T. Camargo Biderman. O dicionário-padrão da língua. Alfa (28), 2743, 1974 Supl.)

 

d) 

 

e) “Humorismo é a arte de fazer cócegas no raciocínio dos outros. Há duas espécies de humorismo: o trágico e o cômico. O trágico é o que não consegue fazer rir; o cômico é o que é verdadeiramente trágico para se fazer.”

 

(Leon Eliachar. www.mercadolivre.com.br. acessado em julho de 2005.)

 

Comentários:

Como se pode notar, a única alternativa que trabalha com o sentido denotativo, ou seja, literal é a letra "C". Em todas as outras, percebemos o uso da conotação, isto é, linguagem figurada.

 

O que acharam da aula? Curtiram? Comentem aqui!

Em nosso próximo encontro, vamos continuar falando de processos comunicativos. Entenderemos melhor o papel de cada elemento da comunicação.

Por hoje, é só! Até a próximaLaughing



@ copyright ( Sou + ENEM ) 2017. Todos os Direitos reservados.

Logo Webteria