ADEQUAÇÃO VOCABULAR

Fala, galerinha!

Nossa aula de hoje vai falar sobre o poder da palavra. É isso mesmo. Vocês já pararam para pensar o quanto a escolha adequada de um vocábulo pode fazer diferença em um texto?

Para iniciarmos nossas reflexões, observem o trecho a seguir que faz parte do poema “Procura da poesia”, do saudoso poeta Carlos Drummond de Andrade:

“Chega mais perto e contempla as palavras.

Cada uma

tem mil faces secretas sob a face neutra

e te pergunta, sem interesse pela resposta,

pobre ou terrível, que lhe deres:

Trouxeste a chave?”

Os famosos versos de Drummond abordam de maneira poética o uso e o valor da palavra. Percebam que, ao afirmar que “Cada uma/tem mil faces secretas sob a face neutra”, o poeta refere-se à plurissignificação dos vocábulos, ou seja, a capacidade que possuem de apresentar diferentes sentidos, dependendo do contexto em que estejam inseridos.

A PALAVRA E O CONTEXTO

Ao estabelecermos a comunicação, temos de empregar o vocábulo que for mais adequado à situação envolvida. Ao nos dirigirmos a um amigo ou a alguém mais próximo, por exemplo, utilizamos um tipo de discurso bem diferente de quando nos deparamos com uma situação comunicativa mais formal. Portanto, saber usar a palavra certa para o momento certo é algo fundamental.

Além disso, as palavras possuem um amplo campo de significação, o que nos permite explorá-las das mais diversas formas. Pensando nisso, resolvi reunir aqui algumas dicas importantes quando o assunto for a redação

A ESCOLHA VOCABULAR NA REDAÇÃO

É indispensável que, ao redigirmos uma redação, tenhamos clareza. Para isso, dominar o vocabulário torna-se fundamental.  A seguir, seguem algumas colocações que merecem destaque:

I) A precisão vocabular deve ser priorizada, uma vez que delimita ou não uma ideia. Nesse contexto, existem os vocábulos gerais e os específicos. O uso de um determinado vocábulo depende de seu referente. Muitas vezes, palavras mais concretas, ou seja, mais específicas, são exigidas para demarcar uma linha de pensamento. Já as mais abstratas, ou seja, mais gerais, devem ser cuidadosamente escolhidas, pois podem ter sua significação ampliada ou distorcida pelo leitor.

Ex. “Reacionário” e “populista” podem significar coisas diferentes, dependendo da ideologia de cada um.

II) A adequação ao contexto também merece destaque. O significado das palavras é determinado pelo contexto em que essas se encontram. Assim, uma mesma palavra pode encontrar diferentes conotações, podendo até passar a ter um sentido negativo.

Ex. “Retrógrado” pode variar de um simples opositor a alguém que age contrariamente ao progresso.

III) A adequação ao código é importante, pois inclui os valores de correção, não só em relação à ortografia, mas também ao conteúdo semântico. Empregos vocabulares “da moda” devem ser evitados, porque não contribuem para o enriquecimento textual.

Ex. O verbo “colocar” no lugar de “apresentar”: “Deve-se colocar esse impasse”. (Note que, nesse caso, os vocábulos não têm a mesma carga semântica – não existem “sinônimos perfeitos”).

IV) O conhecimento vocabular é fundamental. Muitas vezes, ouvimos um vocábulo frequentemente, porém, não sabemos ao certo seu real significado – é o chamado vocabulário passivo. Ao empregarmos determinada palavra, devemos ter a exata noção de seu sentido.

V) O nível vocabular é deve ser mantido. Gírias, oralidades, palavrões não são bem-vindos. Além disso, como muitos pensam, escrever bem não é expressar-se com palavras difíceis e desconhecidas. Em vez de impressionar os outros, esse tipo de discurso, extremamente formal e, muitas vezes, arcaico, torna o texto pedante. O que importa é escrever de maneira objetiva e clara.

 

CAIU NO ENEM

(ENEM 2008)

A Ema

         O surgimento da figura da Ema no céu, ao leste, no anoitecer, na segunda quinzena de junho, indica o início do inverno para os índios do sul do Brasil e o começo da estação seca para os do norte. É limitada pelas constelações de Escorpião e do Cruzeiro do Sul, ou Cut'uxu. Segundo o mito guarani, o Cut’uxu segura a cabeça da ave para garantir a vida na Terra, porque, se ela se soltar, beberá toda a água do nosso planeta. Os tupis-guaranis utilizam o Cut'uxu para se orientar e determinar a duração das noites e as estações do ano.

 

Assinale a opção correta a respeito da linguagem empregada no texto A Ema.

a) A palavra Cut’uxu é um regionalismo utilizado pelas populações próximas às aldeias indígenas.

b) O autor se expressa em linguagem formal em todos os períodos do texto.

c) A ausência da palavra Ema no início do período “É limitada (...)” caracteriza registro oral.

d) A palavra Cut’uxu está destacada em itálico porque integra o vocabulário da linguagem informal.

e) No texto, predomina a linguagem coloquial porque ele consta de um almanaque.

 

 


Comentários:

Após uma atenta leitura, podemos perceber que a linguagem predominante no texto “A Ema” é a formal. Por tratar-se de um texto de caráter informativo, opta-se por um vocabulário mais cuidadoso, com o predomínio da denotação. Portanto, a alternativa correta é a letra “B”.

 

E aí, pessoal? Curtiram as dicas? Alguma dúvida?

Fiquem atentos ao uso adequado do vocabulário na redação. Saber trabalhar corretamente com a palavra faz toda a diferença e enriquece seu texto.

Até a próxima!Laughing



@ copyright ( Sou + ENEM ) 2017. Todos os Direitos reservados.

Logo Webteria