A FÁBULA

Fala, galera!

Analisando as provas do ENEM, podemos perceber diversas questões que exigem o conhecimento de características específicas de cada gênero textual. Hoje, em especial, vamos resgatar um bastante tradicional: A FÁBULA.

Conceitos básicos:

A fábula é uma narrativa breve em prosa ou verso, composta por personagens que são, geralmente, representados por animais, cujas ações passam uma lição de moral. Sua singularidade reside fundamentalmente na apresentação direta das virtudes e dos defeitos do caráter humano, ilustrados pelo comportamento humanizado dos animais.

Normalmente, a fábula é formada por duas partes: a narrativa (trabalha as imagens, que constituem a forma sensível, o corpo dinâmico e figurativo da ação) e a moralidade (trabalha com conceitos ou noções gerais, que sugerem uma verdade e uma reflexão aos homens).

        

SE LIGA!

Muitas vezes, ao final de uma fábula, aparece uma frase em destaque denominada moral da história, acompanhada de provérbio ou não. Essa moral também pode estar subentendida. Isso ratifica a intenção desse gênero textual que visa transmitir ensinamentos práticos do cotidiano.

 

Os personagens:

Uma fábula não se prende a muitos detalhes, não havendo necessidade, por exemplo, de descrever minuciosamente os personagens, visto que, normalmente, suas qualidades e seus defeitos costumam ser bem conhecidos.

O tempo e o espaço:

O tempo costuma ser indeterminado e espaço tende a ser reduzido.

A linguagem:

A linguagem utilizada originalmente tendia a ser culta e formal, apesar de hoje se aceitar, muitas vezes, uma linguagem mais coloquial, representada principalmente pelos diálogos.

        

CoolCURIOSIDADE!

A história da fábula

Acredita-se que tudo tenha começado na Grécia Antiga, a partir de um escravo e contador de histórias chamado Esopo. Ele se tornou famoso por suas pequenas histórias de animais, transmissoras de ensinamentos. Seus personagens cometem erros, são tolos ou sábios, bons ou maus, assim como os seres humanos. A intenção seria a de demonstrar como, nós, homens, podemos agir diante de certas situações.  Não se sabe muito a respeito da vida de Esopo, pois muitos fabulistas receberam seu nome e as histórias de vida se misturaram, mas se diz até que ele chegou a ser solto devido ao encanto gerado por suas histórias. Lendas e histórias a parte, suas fábulas são conhecidas e famosas até os dias de hoje.

Vejam um exemplo a seguir:

A GRALHA E OS CORVOS

Uma gralha de tamanho descomunal olhava seus semelhantes com desdém. Partiu então em busca dos corvos para morar com eles. Mas os corvos, que nunca a tinham visto, expulsaram-na sem piedade.

Rejeitada por eles, a gralha voltou para os seus. Mas estes não lhe perdoavam o orgulho: não aceitaram de volta. E ela não pode viver nem com uns nem com os outros.

Não troques a tua terra por uma outra: nesta serás rejeitado por ser estrangeiro e naquela o teu desprezo será devolvido em ódio.

                                                                                                        (Esopo)

 

Inspirado por Esopo, o escritor francês Jean de La Fountaine (século XVII) usava a fábula para denunciar as misérias e as injustiças de sua época em versos e em prosa. 

Leiam o exemplo a seguir:

A CIGARRA E A FORMIGA

A cigarra, sem pensar

em guardar,

a cantar passou o verão.

Eis que chega o inverno, e então,

sem provisão na despensa,

como saída, ela pensa

em recorrer a uma amiga:

sua vizinha, a formiga,

pedindo a ela, emprestado,

algum grão, qualquer bocado,

até o bom tempo voltar.

"Antes de agosto chegar,

pode estar certa a senhora:

pago com juros, sem mora."

Obsequiosa, certamente,

a formiga não seria.

"Que fizeste até outro dia?"

perguntou à imprevidente.

"Eu cantava, sim, Senhora,

noite e dia, sem tristeza."

"Tu cantavas? Que beleza!

Muito bem: pois dança agora..."

                                           (Fontaine)


 (www.google.com.br)

 

Resumindo, temos a seguinte estrutura para uma fábula:

1. A estrutura narrativa possui:

  • Situação inicial
  • Obstáculo
  • Tentativa de solução
  • Resultado final
  • Moral

2. Moral - linguagem temática, dissertativa, transmissora de algum ensinamento.

 

Dessa forma, a fábula nos leva a dois mundos:

• o imaginário, o narrativo, fantástico;

• o real, o dissertativo, temático.

 

 

CAIU NO ENEM

(ENEM 2005)

As tiras ironizam uma célebre fábula e a conduta dos governantes. Tendo como referência o estado atual dos países periféricos, pode-se afirmar que nessas histórias está contida a seguinte ideia:

a) crítica à precária situação dos trabalhadores ativos e aposentados.

b) necessidade de atualização crítica de clássicos da literatura.

c) menosprezo governamental com relação a questões ecologicamente corretas.

d) exigência da inserção adequada da mulher no mercado de trabalho.

e) aprofundamento do problema social do desemprego e do subemprego.

 



Comentários:

Essa questão interdisciplinar resgata a clássica fábula da Cigarra e da Formiga para realizar uma crítica em relação ao descaso do governo em relação aos trabalhadores. Dessa forma, a alternativa correta é a letra “A”.

 

 

 

E aí?! Curtiram a aula? Alguma dúvida?

Comentários são sempre bem-vindos!

Até!Laughing

 



@ copyright ( Sou + ENEM ) 2018. Todos os Direitos reservados.

Logo Webteria