Escravidão - Aula 01

Olá Amigos,

O tema de nossa aula de hoje é um dos mais importantes para o ENEM. A escravidão foi uma das marcas mais profundas deixadas no Brasil pelo seu passado colonial. Desde o século XVI, ou seja, desde o início da ocupação efetiva das terras da América Portuguesa, a utilização de mão de obra escrava faz-se presente.  As primeiras populações a serem transformadas em escravas na América Portuguesa foram as autóctones: os ameríndios. Contudo, devido a alguns elementos houve a substituição gradativa pela matriz negro-africana.

Razões da substituição da mão de obra escrava indígena pela negra africana:

  • Oposição dos grupos religiosos: os jesuítas, a principal companhia religiosa a atuar no Brasil Colônia, eram o principal foco de oposição à escravização indígena, sendo constantes os conflitos com os colonos;
  • Diminuição demográfica: o contato com as populações europeias fez com que as populações indígenas diminuíssem sensivelmente, não só pelo uso exaustivo de seu trabalho, como pelas doenças derivadas do choque biológico entre os grupos indígenas e brancos;
  • A lucratividade do tráfico de escravos: uma das atividades mais lucrativas que atravessou o período colonial e imperial brasileiro.

Nativos de várias regiões da África (Costa Ocidental entre Cabo Verde e o da Boa Esperança, da Costa Oriental, de Moçambique e mesmo do interior do continente) e de diversas etnias (iorubas, nagôs, geges, berberes, fulas, malês, bantos, etc.) foram trazidos para trabalhar nas mais diversas atividades no Brasil.

É impossível pensar na escravidão como algo estático. As imagens de violência e exploração não são as únicas resultantes desse processo. A escravidão deve ser entendida como um espaço de negociação. Mesmo a exploração física tem os seus limites de execução. Um elemento que comprova a forma multifacetada como se estruturou a escravidão é a existência de escravos de ganho: escravos urbanos que vendiam seus serviços em troca de dinheiro que parte ia para seus senhores parte ia para seu sustento.

Inúmeras foram as formas de resistência escrava no Brasil: revoltas, suicídios, abortos, sincretismo e a mais famosa: os quilombos. Os quilombos foram arregimentações de escravos fugidos, assim como índios, brancos livres pobres, negros forros, que representaram o maior grau de organização de resistência o mais famoso foi o Quilombo de Palmares que você conhece um pouco mais no vídeo abaixo

 

Ao contrário do que muitos pensam a formação dos quilombos não foi exlusiva do período colonial. Durante a década de 80 do século XIX a formação de quilombos foi intensa, incluindo o período posterior a Leia Áurea. Uma parte significativa das populações quilombolas contemporâneas tem origem nesses quilombos pós 1888.

É indiscutível a contribuição sociocultural dos povos africanos no Brasil: das práticas sociais mais simples, até a complexidade da formação linguística, são enormes os elementos das matrizes culturais africanas que deram origem à constituição social brasileria. Uma política importante, que foi estabelecidade desde a Carta de 1988, é a de Ações Afirmativas que busca reconhecer a contribuição a que nos referíamos e aos problemas sociais gerados pela escravidão. (Querendo saber mais sobre as ações afirmativas? Clique aqui para conhecer o trabalho do  Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa da Universidade Estadual do Rio de Janeiro) 

Vamos para as questões:

 



@ copyright ( Sou + ENEM ) 2018. Todos os Direitos reservados.

Logo Webteria